Pedro Ivo Campos – 1987 a 1990
Vice: Casildo João Maldaner

Pedro Ivo nasceu em 12 de outubro de 1930, em Florianópolis, Santa Catarina, filho de Emanuel Pereira de Campos e Florisbela Figueiredo de Campos. Casado com Mariza Lobo Campos, com quem teve quatro filhas.

Iniciou seus estudos no Grupo Escolar Silveira de Souza, depois no Colégio Catarinense, em Florianópolis, prosseguindo-os na Escola Preparatória de Cadetes, em Porto Alegre, e cursando em seguida a Academia Militar de Agulhas Negras, no Rio de Janeiro.

A carreira militar interrompeu-se em 1960, quando, acometido por doença contraída em serviço, e que a época determinava a reforma compulsória, Pedro Ivo foi transferido para a reserva. Sua reforma, baseada na Lei da Inatividade dos Militares, estipulava que Pedro Ivo estava incapacitado para qualquer serviço de natureza militar, não fazendo, entretanto, qualquer restrição ao trabalho na vida civil.

Uma vez recuperada a saúde, Pedro Ivo ingressou na política, no inicio dos anos 60, e quando o golpe militar de 64 foi deflagrado, encontrou Pedro Ivo na liderança do extinto PTB, em Joinville, de onde ofereceu incansável combate aos atos totalitários.

Extintos os partidos pelo Al-2, coube a Pedro Ivo a tarefa de organizar a oposição à ditadura em Santa Catarina. Fundou então, com outros companheiros, o MDB, de onde prosseguiu denunciando o arbítrio, mesmo nos duros anos da repressão, das agressões, das cassações e da violência. Em seu primeiro mandato parlamentar, de 1967 a 1971, Pedro Ivo exerceu a liderança da bancada do MDB, e a presidência do MDB, reorganizando o partido com dificuldades, após as cassações de 1969 e 1970, destacando-se na defesa dos direitos dos perseguidos pelo regime militar.

Sempre no MDB, Pedro Ivo elegeu-se Deputado Federal, mandato que interrompeu por imposição das bases do partido em Santa Catarina para concorrer à prefeitura de Joinville, quando bateu, com diferença de quase 11 mil votos, os três candidatos do partido governista, que tinham a máquina do Estado à disposição das suas campanhas.

Após brilhante gestão à frente da Prefeitura de Joinville, fato reconhecido até pelos seus mais ferrenhos adversários, Pedro Ivo foi reconduzido à Câmara Federal, com a maior votação dada em Santa Catarina, até então, a um candidato oposicionista. Com o fim do bipartidarismo, e a consequente extinção do MDB, Pedro Ivo foi eleito por seus companheiros presidente da comissão provisória do novo partido, o PMDB, do qual foi eleito presidente regional. Uma vez consolidado o PMDB em Santa Catarina, Pedro Ivo deixou a presidência do partido para lançar-se em sua campanha ao governo do Estado. Tendo porém as prévias, no âmbito do partido, determinado a conveniência do momento político de que fosse o Senador Jaison Barreto o candidato do PMDB ao governo, Pedro Ivo respeitou com honra e altivez, na convenção, o resultado das prévias.

O erro das prévias de 82 foi corrigido nas de 86, com a consagração do nome de Pedro Ivo como candidato do partido ao governo do Estado, e nessa campanha ele estava empenhando o peso político do seu nome, que constituiu uma tradição de luta, de coragem e de honradez na histórica política de Santa Catarina.

No seu governo houve um grande esforço para a recuperação financeira do Estado; além do BADESC, a principal instituição financeira, o BESC era o grande desafio. Para sanear o banco, a administração tomou várias decisões como: redução no número de diretorias, de infra-estrutura e de empregados, entre outras.

Destaca-se, no governo de Pedro Ivo, a reforma ou ampliação de uma unidade de saúde por semana; a quadruplicação da capacidade de processamento do CIASC.

Em 27 de fevereiro de 1990, aos 59 anos, Pedro Ivo falece após ter sido acometido por um câncer.

Carreira Política

  • Governador de Santa Catarina no período de 15 de março de 1987 até 27 de fevereiro de 1990.
  • Prefeito em Joinville, Santa Catarina, no período de 1973 até 1977.
  • Deputado Estadual em Santa Catarina no período de 1967 até 1971.

Fonte: http://www.clicengenharia.com.br e http://www.liderancas.com.br , em 17/08/2016.